Rompimento entre prefeito e vice-prefeito de Missão Velha divide opiniões no município; quem está com a razão?

Diego x Dr. Lorim

Após a Prefeitura de Missão Velha assumir a administração do único hospital da cidade por determinação judicial na última sexta-feira (27), o rompimento do prefeito Diego Feitosa (PMDB) e do vice Dr. Lorim (SD) tornou-se ainda mais evidente.

O auge do desentendimento dos antigos aliados aconteceu na tarde desta terça-feira (31), após o médico ter sido dispensado dos serviços de atendimento clínico que mantinha na unidade e continuar a clinicar de maneira improvisada na porta do hospital.

Segundo relatou o prefeito Diego à reportagem do Site Miséria, a dispensa de Dr. Lorim ocorreu por decisão da interventora e atual gestora do hospital, Simone Santana Quaresma, nomeada ao cargo após exigência do Ministério Público. “A nova diretora achou por bem dispensar os serviços de clínica do Dr. Lorim, por entender que o hospital tem a finalidade de acolher apenas casos de urgência e emergência”, disse o prefeito.

Diego Feitosa (PMDB), falou sobre o desligamento do Dr, Lorim do Hospital de Missão Velha (Foto: Guto Vital/Agência Miséria)

Lorim atendia no local em regime de prestação de serviços, como parte de um acordo com a justiça, encerrado em março. Passados os quatro meses em que foi estabelecido o tempo do seu serviço, permaneceu clinicando no hospital por meses, ação que no entendimento do prefeito, faz parte de uma articulação política, já que este tipo de atividade deveria se feito em um PSF ou consultório particular. “É um direito dele realizar ações políticas, mas eu não vou permitir que isso seja feito dentro do hospital, finalizou Diego.

OUTRO LADO

Dr. Luiz Rosemberg Dantas Macedo Filho, o Dr. Lorim, também foi ouvido para dar a sua versão do caso. O vice-prefeito confirmou que a sua atuação no Hospital geral de Missão Velha é fruto de um acordo com ajustiça após o encaminhamento de um processo, mas que sua permanência ali não configura uma ação política, já que o local atende “cerca de 80% de consultas eletivas, por falta de atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde”.

Dr. Lorim fez atendimento na porta do Hospital Geral de Missão Velha na tarde desta terça, 31 (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Apesar de ser Anestesista, Lorim afirma que é habilitado para clinicar e destaca que “as atribuições do anestesista não se resumem ao centro cirúrgico, ele faz a chamada clínica da dor, como é o caso de 90% das queixas apresentadas pelos pacientes”. Assumindo o rompimento com o antigo aliado, Lorim rebate as acusações de Diego e diz que o jogo político quem faz é o atual prefeito; “ele diz que quer melhorar a saúde da cidade, mas vetou meus atendimentos no hospital, que assistia de 80 a 100 pessoas”, disse.

“O rompimento entre mim e o prefeito se deu por eu ter acreditado em uma mudança efetiva em Missão velha, mas não fui correspondido. São atitudes como esta [dispensar os atendimentos clínicos no hospital municipal] que fizerem com que rompêssemos”. O médico finaliza afirmando suspeitas de que as decisões da gestora Simone Quaresma são reflexos do que pensa o prefeito, e que irá continuar os atendimentos médicos em sua casa, como já fazia anteriormente.

AINDA SOBRE O CASO

A decisão do Ministério Público em repassar a gestão do Hospital Geral de Missão Velha ao município também fez com que outro médico tivesse seus serviços dispensados da unidade. Segundo informou o prefeito Diego Feitosa, o Dr. Elson Santana também foi desligado das atividades na unidade.

Texto Felipe Azevedo/Agência Miséria
Carregando...